Terceirização: da Princesa Isabel ao MT. 0

Escravo não tem dinheiro para comprar automóvel. Só se matar o senhor do engenho e lhe roubar o BMW! O seu breve Governo já cometeu muitos estupros. Mas, por favor, deixe imaculada a estátua que ergueram em minha hiomenagem, na Praia do Leme, perto da Avenida Princesa Isabel, no Rio. Extraído do CAF.

Leia Mais
mais sobre politica
mais sobre internacional

Internacional

Cresce o interesse de países desenvolvidos por políticas industriais, diz OCDE. 0

O estudo da OCDE também menciona iniciativas de política industrial em países de economia emergentes, que não participam da OCDE. A China, por exemplo, lançou, em 2015, o plano “Fabricado na China 2025”, que visa reforçar o poder industrial nacional por meio do maior uso de tecnologias digitais na indústria, do fortalecimento da inovação, da qualidade dos produtos, da sustentabilidade ambiental, do aperfeiçoamento da estrutura industrial e do desenvolvimento de recursos humanos na indústria de transformação. Extraído do GGN.

Leia Mais
mais sobre internacional

Parente é 17 vezes pior que a corrupção! 0

“A crise que a Petrobrás sofre é a mesma crise que as outras empresas do setor sofrem, em função da queda dos preços do barril do petróleo. Sob a falácia de combate à corrupção, a direção da Petrobrás está levando a nossa empresa para um caminho sem volta. Estão sendo paralisadas atividades que são vitais para a companhia, como é o caso da perfuração. Os estragos que estão sendo feitos são algo que vamos levar anos para recuperar…” Extraído do CAF.

Leia Mais
mais sobre economia

Os procuradores preparando o ataque aos blogs. 0

A intenção óbvia dos bravos e óbvios procuradores é juntar elementos que permitam caracterizar ação concatenada entre Eduardo e outros blogueiros. De preferência, encontrar algum elo externo que permita enquadrar a ação dos blogueiros em organização criminosa. Extraído do GGN.

Leia Mais
mais sobre nacional

Terceirização, uma rasteira mortal na CLT. Por Nílson Lage. 0

Parece que, afinal, caminhamos para o ponto de ruptura a partir do qual não será mais possível nem o lulismo, nem o getulismo, nem o trabalhismo ou a social-democracia. A superação da era dos tenentes, suas contradições e suas esperanças. Não esperem que seja o tudo-ou-nada revolucionário; é ilusório isso, dada a brutal desmobilização, a pulverização ideológica, o esquerdismo e a propaganda. Será o nada, mesmo – o ponto zero de novo recomeço histórico. Extraído do Tijolaço.

Leia Mais
mais sobre direito