A economia da Nova Era da China, por Justin Yifu Lin.

A economia da Nova Era da China, por Justin Yifu Lin.
dezembro 04 14:12 2017 Imprimir este Artigo

O Jornal de todos Brasisdois pontos – seg, 04/12/2017 – 13:01

no Project Syndicate

A economia da Nova Era da China

por Justin Yifu Lin

Tradução de Caiubi Miranda

BEIJING – Em seu discurso de abertura no 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China, o presidente Xi Jinping argumentou que a China “atravessou o limiar em uma nova era”. Ele prometeu construir um “grande país socialista moderno” próspero , forte, democrático, culturalmente avançado, harmonioso e bonito até meados do século, liderado por um PCC fortalecido  mas aberto ao mundo.

Estas são aspirações ousadas, mas se alguém está em condições de entregá-las, é Xi, agora amplamente considerado como o líder chinês mais poderoso desde Mao Zedong. Mas os detalhes do plano de Xi não são claros. O que será necessário para que a China se modernize efetivamente nesta nova era?

FORA COM O VELHO?

A era pode ser nova, mas uma das tendências que a definirá já está em andamento: a transição em dupla via da China de uma economia planejada para uma economia de mercado. O progresso contínuo nesta frente é vital para aumentar a estabilidade, capitalizar as vantagens comparativas da China e estimular o rápido desenvolvimento socioeconômico, preparando o caminho para uma profunda reforma institucional.

Desde que a transição começou em 1978, a China tomou medidas importantes, inclusive para liberalizar indústrias geradoras de emprego, como manufaturas e para implementar reformas rurais. No entanto, dado que os líderes da China sempre colocaram uma alta prioridade na estabilidade, eles adotaram uma abordagem gradual, mantendo muitas das políticas intervencionistas típicas de uma economia planejada, incluindo a proteção e subsídio às grandes empresas estatais.

Nos primeiros anos da transição, as empresas de capital intensivo que o governo da China estava apoiando desafiaram as vantagens comparativas do país e não teriam podido sobreviver em um mercado aberto competitivo. Mas, graças ao rápido crescimento e ao acúmulo de capital da China, muitas dessas empresas públicas tornaram-se viáveis.

Chegou o momento de eliminar os subsídios e proteções que distorcem. Somente com essa mudança, ao lado de reformas institucionais profundas e contínuas, Xi pode alcançar seu objetivo declarado de permitir que os mercados desempenhem um “papel decisivo” na alocação de recursos – crítico para a economia moderna que ele pretende construir.

A HISTÓRIA DE CRESCIMENTO SEM FIM

De muitas maneiras, a China já está em uma base sólida. Ao longo dos últimos 38 anos, o PIB do país cresceu a uma taxa de 9,6% – um feito sem precedentes. E a economia ainda possui um potencial de crescimento considerável.

Por enquanto, existe um grande gap entre a renda per capita na China, um país de renda média em crescimento, e nas economias desenvolvidas. Esse gap representa a diferença na produtividade do trabalho e, portanto, aponta para oportunidades de inovação tecnológica e atualização industrial que melhorem o crescimento.

Já a China está na vanguarda global em algumas indústrias, como o trilho de alta velocidade, as energias renováveis ​​e os eletrodomésticos. Garantir uma posição de liderança em outras indústrias avançadas – como o comércio eletrônico e dispositivos móveis, que possuem ciclos de produtos curtos e requerem um capital humano substancial – será vital para permitir que o país continue a prosperar. Felizmente, a China não enfrenta escassez de talentos locais e possui um enorme mercado doméstico para novos produtos.

Até agora, a China não conseguiu capitalizar plenamente esses ativos e continua  muito atrás do Ocidente em termos de qualidade – e, portanto, de preço – dos produtos que fabrica. No entanto, se a China puder fechar essa lacuna, ela tem o potencial de alcançar um crescimento econômico anual de 8%.

Outras economias mostraram que isso pode ser feito. O PIB per capita da China (em termos de  paridade de poder de compra, ou PPP) em 2008 foi de 21% dos EUA – o mesmo índice registrado pelo Japão em 1951, Cingapura em 1967, Taiwan em 1975 e Coréia em 1977. Todos essas economias mantiveram um crescimento de 8-9% por mais 20 anos após esse ponto, e nem sequer tiveram a opção, como a China, de aproveitar as indústrias de uso intensivo de capital humano com ciclos de produção curtos.

Alguns tem argumentado que a busca cega do crescimento do PIB é um jogo arriscado, alegando que os desafios que a China enfrenta agora são o resultado de sua expansão econômica prolongada e rápida. No entanto, a Índia vem crescendo mais devagar que a China há décadas e enfrenta poluição mais severa, desigualdade de renda e corrupção. Em suma, enquanto houver potencial  não faz sentido para os países em desenvolvimento não perseguirem uma alta taxa de crescimento.

A REFORMA NO LIMITE

Claro, isso não significa que a China deve ser imprudente. Transformar o potencial em realidade requer as condições adequadas tanto no lado da oferta quanto na demanda. Para que a China atinja seu potencial de forma sustentável, as políticas de inovação do lado da oferta devem ser complementadas por esforços do lado da demanda.

O crescimento pode ser apoiado pelo lado da demanda através de exportações, investimentos e consumo. Em um momento de queda do crescimento anual das exportações – de 16,5%, em média, de 1978 a 2014 para abaixo de zero em 2015-2016 – muitos estão apontando para o consumo como o próximo motor principal do crescimento chinês, argumentando que é mais sustentável que o investimento .

Mas o consumo mais elevado depende de rendimentos mais elevados, que dependem da maior produtividade do trabalho. E uma maior produtividade do trabalho exige inovação técnica constante e atualização industrial. Sem investimento, não pode haver inovação ou atualização, muito menos crescimento de renda ou consumo.

Diante disso, a China deve concentrar-se não em substituir o investimento pelo consumo, mas na melhoria da eficiência do investimento, de modo que ele suporte o crescimento da produtividade, a criação de emprego e os ganhos salariais necessários para sustentar o consumo interno. Isso exigirá, entre outras coisas, que a China enfrente desequilíbrios do lado da oferta, incluindo alavancagem excessiva e excesso de capacidade.

Ao mesmo tempo, os líderes da China devem prestar muita atenção às necessidades e expectativas da classe média emergente. Xi deixou claro que sua visão deve ser realizada por um poderoso PCC, que deve “se opor resolutamente a todas as declarações e ações que minam, distorcem ou negam” sua liderança ou o sistema socialista chinês. Se o PCC deve manter a legitimidade popular necessária para sustentar sua autoridade, os esforços de reforma devem ser orientados para as pessoas, focados em atender as crescentes expectativas do público em relação aos padrões de vida, qualidade ambiental, transparência, governança e liberdade de expressão.

NUVENS ALÉM DAS FRONTEIRAS

Claro, a China não está reformando sua economia no vácuo. E não há escassez de desafios que enfrentam a economia global. Vinte e seis anos após a explosão de sua bolha econômica, o Japão ainda está lutando para garantir crescimento ou escapar totalmente da deflação. A União Européia parece finalmente emergir de sua própria queda, que começou com a crise econômica de 2008, mas a recuperação continua frágil, com o PIB crescendo em cerca de 1%, em média e o desemprego ainda alto. Os EUA estão fazendo um pouco melhor mas o PIB cresce em apenas 2% ao ano, e nem o Fundo Monetário Internacional nem o Banco Mundial esperam atingir 3% antes de 2020.

Uma das principais razões para este estado de coisas é que os países desenvolvidos não conseguiram consistentemente reformas estruturais difíceis, mas necessárias. Os políticos sabem que as reformas estruturais são necessárias para melhorar a competitividade a longo prazo; mas temem as repercussões políticas do impacto a curto prazo no investimento, no emprego e no consumo. Em tempos de crescimento lento e crescente desemprego, no entanto, essas reformas só se tornam mais difíceis.

No Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe estabeleceu reformas estruturais como a terceira “seta” da Abenomics (os dois primeiros sendo estímulo fiscal e flexibilização monetária). No entanto, após cinco anos, a terceira seta permanece no distante e o crescimento anual do PIB é de apenas 1%. Temo que a lentidão a longo prazo, como a que o Japão está enfrentando, pode afetar um número maior de países desenvolvidos.

Nada disso será bom para a estabilidade política. No Reino Unido, o voto para Brexit foi seguido, um ano depois, por uma derrota inesperada para o Partido Conservador numa rápida eleição. A vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos EUA de 2016 chocou o mundo. A chanceler alemã Angela Merkel está lutando poderosamente para formar um governo de coalizão.

Diante de uma recuperação anêmica, aumento do desemprego e crescente desigualdade, os eleitorados nos países desenvolvidos votarão naturalmente pela mudança. A China precisa se fechar para isso – e pelas incertezas que se seguem. O que deve ser evitado é o pânico. Manter a calma e perseguir políticas inteligentes e orientadas para o futuro é a melhor maneira de garantir que a China não fique presa no fogo cruzado da agitação internacional.

COLOCANDO A AMÉRICA EM PRIMEIRO LUGAR

Isto é particularmente verdadeiro em relação aos EUA, que, apesar do perda contínua da liderança global, continua sendo o maior jogador internacional – e o parceiro econômico mais importante da China. Se a China conseguir o “grande rejuvenescimento” da nação chinesa que a Xi procura, seus líderes precisarão evitar conflitos – incluindo disputas comerciais – com os EUA, aproveitando a complementaridade econômica.

Na China, a renda per capita é cerca de um quarto da dos EUA em termos de PPP, e cerca de um sétimo nominalmente, enquanto a produtividade média do trabalho é baixa. Isso torna menos provável que os EUA e a China competirão diretamente em, digamos, indústrias de alto valor agregado, de alta tecnologia e de capital intensivo. Assim, ao contrário da União Européia e do Japão, a China raramente está bloqueada na concorrência internacional com os EUA, porque as exportações chinesas para os EUA são principalmente bens de baixo valor agregado (um ponto que o presidente dos EUA, Donald Trump, parece incapaz de entender).

Na verdade, não só as vantagens comparativas dos EUA e da China excluem a concorrência direta; o mercado de um efetivamente habilita o outro a aproveitar ao máximo seus próprios pontos fortes. Para as empresas dos EUA, o mercado da China – o maior do mundo, em termos de PPP, contribuindo com mais de 30% da expansão anual do mercado global – é muito lucrativo para deixar de lado. Dado que as maiores empresas dos Estados Unidos são muitas vezes os maiores doadores nas eleições americanas, os formuladores de políticas dos EUA têm um forte incentivo para manter – e aprofundar – os laços econômicos com a China.

Não será toda a navegação suave para a relação bilateral – longe disso. Os EUA recentemente se sentem ameaçados pela China, cuja influência internacional está se expandindo em segurança com a economia. Mas quaisquer rivalidades geopolíticas que surjam não devem prejudicar a relação comercial bilateral mutuamente benéfica. Isso torna ainda mais crítico para a China continuar a atualizar sua economia e perceber seu potencial de crescimento. Somente garantindo que é indispensável para os negócios americanos a China pode permanecer em termos econômicos amigáveis ​​com os EUA, mesmo que os desafios políticos – incluindo aqueles enraizados no crescimento contínuo da influência geopolítica da China – inevitavelmente surjam.

UM RESET DE GOVERNANÇA GLOBAL

Não cometer erros: a China tem razão em buscar e assumir um papel global maior. É, de longe, a maior economia do mundo pela PPP, e ela se tornará a maior economia em termos nominais antes de 2030. É razoável que a crescente influência econômica da China seja acompanhada por uma maior influência sobre a governança global.

A ordem internacional atual contribuiu para a relativa paz e estabilidade desde que foi criada no final da Segunda Guerra Mundial. No entanto, tem sido dominado pelos países ocidentais que a criaram. Não só atendeu os interesses desses países antes de todos os outros, também defendeu suas abordagens para o desenvolvimento e a governança.

Muito poucos países conseguiram desenvolvimento dentro deste sistema. Em 1960, havia 101 economias de renda média; até 2008, apenas 13 deles atingiram o status de alta renda. Pior ainda, desde 1945, apenas duas das 200 economias em desenvolvimento do mundo – Taiwan e Coréia do Sul – ascenderam do status de baixa renda para alto rendimento. (Se tudo correr de acordo com o plano, a China se tornará a terceira em 2025.)

Nenhuma economia em desenvolvimento – exceto talvez uma que seja econômi e geograficamente próxima da Europa Ocidental – pode ter sucesso ao aderir às prescrições de desenvolvimento das economias avançadas. É por isso que é necessário um novo tipo de pensamento de desenvolvimento, que leva em conta as lições desses – dos quatro “Tigres asiáticos” para a própria China – que conseguiram precisamente ignorando as estratégias de desenvolvimento impulsionadas pelo Ocidente.

Nas décadas de 1950 e 1960, os países em desenvolvimento disseram repetidamente que, para aumentar os rendimentos e a produtividade do trabalho ao nível do mundo desenvolvido, eles precisavam alcançar o mesmo nível de industrialização. Então, em vez de continuar exportando produtos agrícolas e minerais, e importar produtos manufaturados modernos, muitos mergulharam nas águas profundas do automóvel,do aço e da fabricação de equipamentos. Alguns nunca vieram à tona.

Na década de 1980, quando essa estratégia de substituição de importações provou ser um fracasso, os países em desenvolvimento foram informados de que o problema era o fato de não serem economias de mercado completas. De acordo com a lógica neoliberal do chamado Consenso de Washington, eles devem, de imediato, reverter a intervenção do governo e buscar privatização, desregulamentação e liberalização do comércio.

Mas as economias em desenvolvimento mais bem-sucedidas foram aquelas que rejeitaram essas prescrições. O Japão e os quatro tigres asiáticos buscaram mão-de-obra intensiva e fabricação tradicional em pequena escala, em vez de substituição de importações. A China adotou sua abordagem gradual e de duas vias para a transição da economia planejada para a economia de mercado. Vietnã e Camboja – dois países mais asiáticos que alcançaram desenvolvimento estável – também resistiram à sabedoria neoliberal convencional.

Uma tendência semelhante pode ser observada na Europa Oriental. Na Polônia e na Eslovênia, grandes empresas públicas não privatizadas contribuem com quase 30% do PIB – não inferior ao índice na China. O Uzbequistão e a Bielorrússia, os melhores artistas econômicos entre os países ex-soviéticos (além dos três países bálticos), também contam com empresas não privatizadas.

Não existe uma estratégia de desenvolvimento de tamanho único. Os países bem-sucedidos pensam sobre o que podem fazer bem com o que têm e criam condições para ampliar essas indústrias. Isso é o que a China fez – e o que, como um jogador cada vez mais central no cenário internacional, deve ajudar a permitir que outros países em desenvolvimento também façam.

A Iniciativa Belt and Road de Xi, que promete o desenvolvimento de infraestrutura massiva na Eurásia e na África, é um veículo ideal para isso. E, além do BRI, a China pode usar seu envolvimento em países de todo o mundo para divulgar um novo e viável conjunto de idéias de desenvolvimento e governança. A China tem um claro interesse em seu sucesso: promover a prosperidade no mundo em desenvolvimento seria o melhor caminho para que Xi alcance o que ele – e agora o PCC – chama o “Sonho chinês” da conquista individual e da grandeza nacional.

FONTE: https://jornalggn.com.br/noticia/a-economia-da-nova-era-da-china-por-justin-yifu-lin

GGN O JORNAL DE TODOS OS BRASIS
GGN O JORNAL DE TODOS OS BRASIS

Veja Outros Artigos Dele