Diferente de Nova York, Washington castigará a desfaçatez do governo Temer.

Diferente de Nova York, Washington castigará a desfaçatez do governo Temer.
outubro 10 10:26 2017 Imprimir este Artigo

Em NY, respira-se mercado

Na capital, a política manda

O presidente Michel Temer encontrou Donald Trump durante a cúpula do G20Beto Barata/PR – 8.jul.2017

Monica de Bolle
10.out.2017 (terça-feira) – 6h10
atualizado: 10.out.2017 (terça-feira) – 7h52

Toda desfaçatez será castigada

Washington não é Nova York. Quando esteve em NY, o governo brasileiro e sua comitiva para a assembleia geral das Nações Unidas e encontros com Wall Street, a recepção foi razoável. A diplomacia aguentou diplomaticamente o discurso de Temer, o único líder latino-americano no jantar com Trump que precisou de tradução simultânea.

Os investidores escutaram as boas novas de Meirelles sobre a economia com algum ceticismo, contudo com o pragmatismo de curto prazo que caracteriza o mercado: com a economia mundial em estado de quase-graça considerada a estridência dos últimos anos, dispostos estavam a ouvir a equipe econômica e a colher bons retornos nos próximos meses enquanto as eleições não vêm. Em Washington será diferente.

Não que a recepção aos integrantes do governo brasileiro nas reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial dessa semana não seja diplomática. Afinal, Washington respira diplomacia –ainda que ocupante da Casa Branca não o faça. No entanto, Washington não respira mercado como o faz Nova York.

Washington respira política, preocupa-se com imagens e gestos, castiga os bonitinhos mas ordinários com implacável indiferença. Um pouco disso é o que aguarda as autoridades brasileiras em tour pela cidade nos próximos dias, ainda que estejam em posição de contar algumas vantagens.

A inflação caiu, a recuperação desponta, o desemprego dá sinais de melhora. É possível que a recuperação ganhe mais substância até as eleições do ano que vem, sustentando a tese simplória do “descolamento entre a política e a economia”. Em tempo: já deveríamos tem aprendido que descolamento entre política e economia não existe, o que há são defasagens e melhorias esperadas após 2 anos de profunda recessão.

Descolamentos à parte, não passará despercebido o fato de ser Temer o presidente com maior índice de rejeição da história. Seu governo, manchado pela corrupção, não agrada aqui nessa cidade onde a “ótica” importa mais do que qualquer perspectiva de retorno financeiro imediatista.

A desfaçatez incrustada na face nua do governo Temer sofrerá castigo duplo aqui na capital americana. Estarão pela cidade, também, os integrantes do governo argentino. O governo com o mais elevado grau de aprovação entre os maiores países da América Latina, o governo cuja economia deve crescer mais de 2% em 2017, chegando a perto de 3% até 2020, segundo as projeções mais recentes do FMI.

O governo cujo déficit nominal –o que inclui todas as receitas e despesas, inclusive as relativas aos pagamentos dos juros sobre a dívida pública– deverá cair dos 6% do PIB atuais para menos de 4% em 2019. O governo cuja coalizão Cambiemos está mais do bem posicionada para as eleições legislativas do dia 22 de outubro, quando estarão em jogo 1/3 dos assentos no Senado e metade da Câmara dos Deputados.

Sim, o espectro Kirchner ainda ronda. Mas isso não é o suficiente para denegrir a imagem da Argentina em Washington. Ao contrário, Macri é visto por essas bandas como o mais eficaz líder latino-americano. Para os interessados na América Latina, os eventos com a presença de autoridades argentinas deverão ser bastante disputados.

Enquanto isso, projeta o FMI para o Brasil crescimento abaixo de 1% em 2017, de não mais de 2% em 2020. Mesmo com a queda dos juros, o déficit nominal ainda está em 9% do PIB –em 2015, o pior ano da gestão Dilma, o déficit nominal foi de 10,3%. Caso tudo corra bem, até 2019 nosso rombo deve igualar-se aos atuais cerca de 6% da Argentina.

As eleições brasileiras de 2018 certamente chamarão a atenção na cidade, possivelmente por razões torpes. Estará aqui, na 6ª feira 13, nada menos, Jair Bolsonaro, em evento organizado pela George Washington University. Haverá alguns painéis organizados por grandes bancos internacionais em que o interesse será entender quais as chances reais de uma virada centrista e reformista em um país marcado pelo descalabro ético e moral do setor público.

Autoridades brasileiras que queiram omitir os aspectos rodrigueanos da economia brasileira serão toleradas, seu esforço reconhecido, mas duramente ofuscado pela carne nua, crua, falcatrua.

Outubro, 2017. Toda desfaçatez será castigada.

FONTE: https://www.poder360.com.br/opiniao/internacional/diferente-de-nova-york-washington-castigara-a-desfacatez-do-governo-temer/