Por trás da operação Aécio, a sombra de Serra.

Por trás da operação Aécio, a sombra de Serra.
Maio 18 10:31 2017 Imprimir este Artigo

Por trás do vazamento da delação da JBS, ontem, pode estar uma velha disputa entre o grupo de José Serra e o de Aécio Neves na Polícia Federal.

Hoje de manhã foi deflagrada a operação contra o senador Aécio Neves, autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e com pedido de prisão de sua irmã Andréa Neves. A operação já estava marcada há dias. Por isso, há suspeita – na PF – de que o vazamento tenha sido uma tentativa desesperada do grupo de Aécio, na PF ou na PGR (Procuradoria Geral da Repúbica) de avisar os alvos para se desfazerem de provas.

Ontem por volta das 16:30 houve uma reunião tumultuada entre o delegado geral da PF Leandro Daiello e o grupo. Temia-se que a operação pudesse ser cancelada. Não foi.

Aécio fincou pé na PF depois que foi alvo de armação do grupo do senador José Serra na corporação. Ambos disputavam a liderança no PSDB. Liderado pelo ex-policial Marcelo Itagiba, o grupo de Serra tentou flagrar Aécio em uma boate no Copacabana Pálace. Aécio foi avisado a tempo e se safou da armação.

A partir do episódio, decidiu fincar montar seu grupo na PF. E, através do Estado de Minas, produziu o mais contundente documento até agora contra Serra, o livro “Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Jr.

No final de 2014, a PF de Serra montou uma operação em cima do governador mineiro eleito, Fernando Pimentel, pensando pegar dois pombos com um só tiro, julgando que ainda estaria em vigor o pacto de Minas, dele com Aécio, que resultou na eleição de Márcio Lacerda para a prefeitura de Belo Horizonte.

No início do governo Lula, aliás, a ponte entre PSDB e PT era garantida pelo pacto mineiro.

Foi preso, então, o marqueteiro Benedito Oliveira, o Bené, dentro da Operação Acrônimo. Desde então, a PF de Serra vem mantendo o noticiário aceso: periodicamente saem denúncias contra Pimentel, todas provindas da mesma delação de Bené e saindo na mesma publicação, o Estadão, aparentemente o último veículo em que Serra mantém influência.

A ação da PF de Serra só não evoluiu porque esbarou no ex-Ministro Nelson Jobim que se casou em segundas núpcias com Adrienne Giannetti Nelson de Senna, que fez brilhante carreira no serviço público – foi uma das primeiras presidentes do COAF (Conselho do Controle de Atividades Financeiras) – e é de uma família dona de empreiteira que mantém boas relações com Pimentel e Aécio.

Jobim teve papel relevante para garantir a estabilidade política junto ao Supremo. E se credenciou como pessoa capaz de costurar pactos entre PSDB e PT.

A investida contra Aécio se dá em um momento em que Serra fugiu de todo noticiário, visando se preservar.

Obviamente, a operação não foi engendrada pelo grupo de Serra, mas devido às delações-bombas dos irmãos Batista, da JBS.

FONTE: http://jornalggn.com.br/noticia/por-tras-da-operacao-aecio-a-sombra-de-serra